Trabalhar em casa? Isso dá certo?

HOME OFFICE, TAMBÉM CONHECIDO COMO TELECOMMUTING, PODE SER UMA INTERESSANTE ALTERNATIVA DE TRABALHO PARA AS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR

Já parou para calcular quanto tempo você gasta para fazer, diariamente, o percurso entre a sua casa e o seu local de trabalho? Segundo estudo do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), realizado em 2011, nas grandes cidades do país as pessoas desperdiçam cerca de 2h42 minutos de seus dias paradas no trânsito. Dados da ONG Nossa São Paulo confirmam a estimativa e mostram que, na cidade de São Paulo, a média é de 2h46 diárias.

Além do tempo que se perde dentro do carro ou no transporte público (que, principalmente nos grandes centros urbanos, tende a ser cada vez maior), há ainda a questão da despesa com combustível ou tarifas (ônibus, trem, metrô), o excesso de veículos nas vias, a emissão de gases de efeito estufa (GEE), a poluição atmosférica, a poluição sonora, a emissão de CO2… Enfim, existe uma série de problemas agregados a esse processo de ir e vir. Pensando nisso, muitas empresas estão compreendendo o home office como uma maneira de garantir a qualidade de vida de seus colaboradores e, também, aproveitar melhor este tempo.

Captura de tela 2016-08-15 18.20.16

PRÁTICA CRESCENTE NO MUNDO CORPORATIVO

De acordo com estudo realizado em 2008 pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, ainda não atualizado pela entidade, cerca de 18% das empresas de pequeno e médio portes utilizam o trabalho remoto, e, nas grandes corporações, o número salta para 58%.

Realidade recente no cotidiano de algumas empresas, a prática registra crescimento em boa parte do mundo, inclusive no Brasil, onde ainda não há legislação para essa atividade. Segundo o Top Employers Institute, que pesquisa e certifica as práticas de Recursos Humanos de maior relevância em todo o mundo, 15% do total de companhias brasileiras já instituíram o sistema home office para seus colaboradores – em 2012, esse índice era de apenas 6%. Contudo, o número ainda é baixo se comparado a outros países. O Reino Unido, por exemplo, tem um dos mais elevados índices (65%), seguido pela Holanda (60%) e pela Alemanha (58%).

GANHANDO ESPAÇO NO TERCEIRO SETOR

Nos últimos anos, feliz e sabiamente, organizações do Terceiro Setor passaram a se apropriar, com os devidos ajustes, de ideias e práticas comumente aplicadas no mundo corporativo. A adesão ao home office, ou telecomutting, como também é conhecido, é uma das práticas que vêm sendo incorporadas ao cotidiano dessas entidades. “Ainda é uma novidade no Brasil, mas acredito que esta já seja uma tendência, sobretudo para atividades mais administrativas e de gestão, que não requerem tanto a presença física de um colaborador. Creio que, devido às melhorias e ao barateamento dos serviços de acesso à internet e de telecomunicações, seja uma boa alternativa para as organizações sociais, independentemente de seu porte”, afirma Paulo Lima, diretor da ONG Viração Educomunicação, organização que adota a modalidade de trabalho, tanto de forma permanente, para membros da diretoria – como o próprio Lima, que atualmente mora na Itália – quanto ocasionalmente, “quando algum colaborador necessita de um espaço de maior tranquilidade para poder trabalhar na fase de projetação ou de elaboração de relatórios e sistematização de projetos”.

Lima conta que, em países da Europa, há maior flexibilidade quanto ao “mundo do trabalho”. “Há mais flexibilidade em relação aos horários e à modalidade do trabalho em si, porém, sempre respeitando os direitos trabalhistas”, destaca. “Há, inclusive, governos locais que estão fazendo experiências-piloto nessa linha, como é o caso da Província Autônoma de Trento (Itália), em que parte de seus funcionários alterna períodos em home office e no escritório. Mesmo estando em home office, o funcionário possui uma linha telefônica dedicada, por exemplo, em contínua ligação com seus colaboradores diretos”.

No Brasil, a Fundação SOS Mata Atlântica é um bom exemplo de organização que tem aprimorado, ao longo de sua história, seus sistemas e modelos de gestão. Hoje, parte de seus funcionários trabalha em home office. “Essa iniciativa gerou resultados positivos não apenas para a organização, como a redução nos custos, como também contribuiu para a melhoria da qualidade de vida de nossos funcionários, que deixaram de desperdiçar tempo com a locomoção de suas casas até nosso escritório e passaram a aproveitar melhor esse período para a realização de outras atividades, tanto pessoais quanto profissionais”, explica Marcia Hirota, diretora de Gestão do Conhecimento da Fundação.

Desde a implementação do home office, o desempenho dos funcionários passou a ser medido por resultados em vez de horas de trabalho.

BONS MOTIVOS PARA ADERIR

Além dos pontos positivos destacados no início desta matéria, como a redução dos gastos com transporte ou combustível, e a diminuição do excesso de veículos nas vias, por exemplo, há ainda benefícios que afetam diretamente a saúde das pessoas, como a possibilidade de aproveitar melhor o tempo com a família e com os amigos; realizar atividades de lazer e esportivas, ato que contribui para a minimização da incidência de dores no corpo, obesidade e diminuição do colesterol; e a redução da poluição do ar, fator que mata, anualmente, cerca de 2,1 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com estudo publicado em 2013 pelo periódico Environmental Research Letters.

Outros fatores, mais subjetivos, também podem ser apontados, como maior concentração, uma vez que o ambiente não será tão movimentado quanto um escritório convencional; por ter evitado o percurso casa-trabalho, o colaborador iniciará seu dia descansado e com mais disposição; possibilidade de flexibilidade de horário; e mais autonomia e autogerenciamento das tarefas.

“Essa prática, a meu ver, permite o aumento da produtividade e maior promoção da autonomia no colaborador, o que acaba gerando maior satisfação pessoal. Com isso, a organização social sai ganhando, pois sempre terá colaboradores engajados com sua missão, sua causa, seus objetivos e sua visão de futuro. Outro benefício diz respeito à relação de trabalho, construída à base da plena confiança e da assunção de responsabilidades, o que fortalece a instituição”, comenta Paulo Lima.

Do ponto de vista das organizações sociais, os bons motivos vão mais adiante. Existe, entre outros pontos, a vantagem da redução de custos, com a desobrigação da manutenção de um espaço físico para todos os colaboradores (desterritorialização), por exemplo. É importante deixar claro que o home office não eliminará integralmente as despesas de uma ONG, mas certamente ajudará a reduzi-las.

Para que esse sistema de trabalho funcione adequadamente, a organização precisa colocar a disposição de seus colaboradores itens essenciais, como celular corporativo e/ou linha telefônica dedicada; sistemas de trabalho, de telefonia voip, de vídeo-conferência e de chat; computador e impressora. Em alguns casos, pode ser necessária, inclusive, a cessão de mesas e cadeiras. Também é fundamental que os colaboradores recebam ajuda de custo mensal – independente de salário – para despesas como energia elétrica e material de escritório, incluindo banda larga, segurança de internet e antivírus, aplicativos móveis, plataformas virtuais, entre outros, variando de acordo com as necessidades inerentes ao tipo de trabalho a ser desenvolvido.

Para que seu novo sistema de trabalho fosse possível, desde 2010 a SOS Mata Atlântica realiza investimentos em tecnologia da informação, como um sistema de comunicação à distância. “Nele, o ramal do colaborador funciona em qualquer local em que ele estiver, desde que seu computador esteja conectado ao sistema. Além disso, todos recebem apoio para ajustar sua estrutura de trabalho em casa, além de uma ajuda de custo para despesas com internet, entre outros”, afirma Mariana Machado, coordenadora do Programa de Incentivo às RPPNs da Fundação, que trabalha no sistema home office desde 2010.

A diretora Marcia Hirota explica que a organização contou com consultoria especializada para apoiá-los na transição. “As organizações precisam estar atentas a diversos detalhes, como uma criteriosa análise do perfil profissional de sua equipe. Visto isto, os ganhos são muitos, como a melhoria da qualidade de vida dos colaboradores”, destaca.

Márcia destaca, ainda, que essa iniciativa não se restringe a organizações de grande porte, como a que representa. “Todas as ONGs têm a possibilidade de modificar e aprimorar seus modelos de trabalho, bastando, para isso, determinação, foco no trabalho a ser desenvolvido e, também, muita pesquisa e conversa com outras entidades que já adotam o mesmo sistema”, sugere.

PRINCIPAIS VANTAGENS DO HOME OFFICE

De acordo com Tatiane Ribeiro, criadora do projeto “Está na Área”, iniciativa que visava estimular a adoção do home office no Brasil, morar perto do trabalho ou cumprir o expediente em casa traz uma série de vantagens para as empresas e organizações sociais, cujos benefícios estendem-se ao meio ambiente e transforma a vida dos cidadãos de diversas maneiras. Entre elas, destacam-se:

  • redução dos custos (transporte/combustível, alimentação);
  • aumento da produtividade;
  • mais qualidade de vida;
  • preservação do meio ambiente (melhoria da qualidade do ar, redução da poluição sonora);
  • menos carros na rua, pistas mais livres;
  • redução do estresse e de diversas doenças, como ansiedade, obesidade e problemas respiratórios.

A IDEIA É BOA, MAS É PRECISO ATENÇÃO

Quando se fala em “trabalhar em casa”, é comum que se associe essa ideia à possibilidade de trabalhar de pijama, sentado sobre a cama, com a televisão ligada. Na prática, o assunto é bastante sério e deve ser pensado com muito mais cuidado do que parece. Apesar de facilitar a vida do colaborador em alguns aspectos, o home office pode apresentar algumas armadilhas em seu dia a dia.

“É muito comum, por exemplo, que esses profissionais precisem lidar com a separação do que é ambiente e horário de trabalho e o que é de convívio familiar. É bem fácil se perder em meio a distrações como o filho querendo brincar ou um animalzinho de estimação passeando pelo local de trabalho. Manter-se motivado, mesmo sem o acompanhamento próximo de um chefe e de colegas, pode ser bastante complicado para algumas pessoas”, afirma o administrador de empresas e especialista em planejamento estratégico, Augusto Campos.

Lima ressalta que um ponto delicado, que merece muita atenção por parte das entidades do Terceiro Setor, é o acompanhamento das metas ou objetivos a serem alcançados. “É importante entrar em um comum acordo sobre as atividades a serem realizadas em um determinado tempo. Além disso, é preciso cuidar também para que haja uma fluida comunicação entre os colaboradores e quem cuida da gestão da organização. Quem trabalha home office não deve se sentir sozinho, isolado. É preciso lembrá-lo que ele faz parte de uma equipe e quem deve cuidar disso é a pessoa responsável pela gestão da equipe”, adverte.

Augusto Campos completa: “Toda a equipe que deve assumir esse tipo de postura, pois, do contrário, quem trabalha distância, remotamente pode se sentir um peixe fora d’água, solitário naquilo que faz. Portanto, a equipe deve se envolver também, deve participar, interagir”.

Para dar os primeiros passos nesta ainda nova modalidade de trabalho, é preciso que a organização faça uma profunda reflexão com sua equipe, a fim de verificar quais áreas ou atividades podem ser realizadas à distância e por qual período de tempo (permanente ou ocasional). Também é preciso que se faça um projeto delineando os objetivos, as funções, o plano de trabalho, a modalidade de comunicação, a modalidade de reuniões, a apresentação dos resultados e momentos de frequente avaliação.

“É essencial que toda a equipe debata conjuntamente essa nova modalidade de trabalho, e não apenas o colaborador interessado e os gestores da organização. É preciso assumir uma concepção e prática, alternando-se momentos de presença física e virtual ao longo do trabalho a ser desenvolvido”, ressalta Paulo Lima, da Viração Educomunicação.

PROFISSIONAL, FIQUE DE OLHO!

De acordo com os especialistas consultados, a Revista Filantropia listou algumas dicas para quem deseja aderir ao home office. Se sua organização já aderiu ou pretende adotar essa modalidade de trabalho, fique atento às orientações.

  • Horários: o horário de trabalho deve ser adaptado aos demais horários de sua vida doméstica, de modo a buscar eficiência e redução do estresse. Além disso, é muito importante que se mantenha horários regulares.
  • Disciplina: esteja atento e focado durante o trabalho. Evite distrações e interrupções necessárias. Crie uma rotina de trabalho.
  • Produtividade: identifique em qual período do dia você é mais produtivo e certifique-se de aproveitá-lo da melhor maneira possível para a realização de tarefas mais relevantes.
  • Registro: observe e registre as atividades que você costuma fazer quando começa a procrastinar, e defina o momento certo para pausas que permitam realizá-las (após o término do expediente, após alcançar alguma meta).
  • Metas: defina metas realistas e acompanhe-as todos os dias para certificar que estejam sendo cumpridas, e eventualmente programe compensações.
  • “Modo trabalho”: o fato de estar em casa pode ser, para algumas pessoas, um fator passível de equívocos. Para evitá-los, é necessário gravar em mente que você está em horário de expediente – para algumas pessoas, basta vestir-se com a roupa que usariam para ir ao escritório, ou sentar-se em uma determinada escrivaninha. Para outras, verdadeiros rituais (envolvendo café, ouvir determinados programas de TV, dar uma volta na quadra etc.) são necessários.
  • Exclusividade: tenha um ambiente dedicado ao seu trabalho, com todos os recursos necessários, isolamento e silêncio. Evita trabalhar em espaços como sala de estar e cozinha.
  • Pausas: às vezes, quando o cansaço chega ou quando as ideias parecem não fluir, é preciso fazer uma pausa no trabalho e procurar outra coisa para fazer. Vá tomar um café, dê uma volta no quarteirão, mas nunca se esqueça que, apesar da pausa, você permanece em horário de trabalho.

Por Paula Craveiro
Revista Filantropia – Especial RH